QUEDA DE CABELO: Tipos de Alopecia – parte I

publicidade

Queda de cabelo é uma queixa comum no consultório. Na maioria dos casos, o stress, a alimentação irregular e o uso de produtos químicos e secadores de cabelos, além das pranchas, são as causas. Mas em outras há alguma doença como causadora.

Quando o paciente relata o termo “queda de cabelo”, o médico escreve no prontuário “alopecia” que é a palavra na Medicina que designa este sinal. Assim, neste texto, em muitas vezes usaremos a palavra “alopecia” no lugar de “queda de cabelo”.

Neste texto,  conversamos sobre o ciclo normal do cabelo e a divisão entre alopecia cicatricial e não cicatricial. Depois abordamos o primeiro tipo de queda de cabelo não cicatricial, a alopecia androgenética.

queda de cabelo a

Queda de cabelo ou alopecia.

No artigo Queda de Cabelo: Tipos de Alopecia – parte IIconversaremos sobre outros tipos de queda de cabelo não cicatricial: alopecia de tração, tricotilomania, alopecia areata, eflúvio telógeno e eflúvio anágeno.

Ciclo normal do cabelo

Cada folículo produz um número de cabelos, durante um tempo de vida. Há três fases:

queda de cabelo ciclo 2

Fases do fio de cabelo: anágena (crescimento), catágena (involução) e telógena (repouso).

• Fase Anágena ou fase de crescimento no couro cabeludo: dura entre três e cinco anos e o cabelo cresce cerca de 1 cm por mês. A duração da fase anágena varia de pessoa para pessoa e determina o tamanho que o cabelo vai crescer se não forem cortados. Normalmente, cerca de 85% dos folículos está na fase anágena. Não existe produto milagroso que faça o cabelo crescer além do que lhe é característico.

• Fase Catágena ou fase de involução: segue a fase anágena, quando cessa a divisão celular no bulbo piloso e ocorre a involução, que dura cerca de duas semanas.

• Fase Telógena ou fase de repouso: dura cerca de três meses. O cabelo permanece no folículo, mas não cresce e, em 2 a 3 meses, em média, é descartado. No final da fase telógena, o folículo inicia a produção do novo cabelo anágeno que desloca o antigo e este é descartado.

A “muda” de cabelos

Em alguns animais, os folículos apresentam este ciclo de modo sincronizado e estes animais apresentam “troca de pelos” ou “muda” em certa época do ano. Nos seres humanos, os folículos não estão sincronizados e, portanto, não há época de “troca de cabelos” ou “muda”. Assim, durante todo o ano há queda de cabelos regular e normalmente de cerca de 50 a 100 cabelos por dia, na sua maioria despercebida.

A falta de sincronia é aleatória e, às vezes, as pessoas passam por um período mais predominantemente na fase telógena com maior queda de cabelo em escovas e pentes, causando muita ansiedade. Apenas uma variação da média de queda de cabelos normal.

A alopecia

Alopecia é um termo geral utilizado para todos os tipos de queda de cabelo temporária ou permanente, localizada ou como difusa, do couro cabeludo ou de qualquer parte do corpo. Há muitas coisas que podem causar queda de cabelo, incluindo medicamentos ou deficiência de ferro. A alopecias são geralmente divididas em dois grupos: cicatricial e não cicatricial.

publicidade

Alopecia cicatricial

Alopecias cicatriciais são normalmente causadas por inflamação que resulta na destruição permanente do folículo piloso levando à queda de cabelo irreversivelmente.

Ao exame clínico, lesões agudas no couro cabeludo também podem estar presentes ou apenas as cicatrizes de processos inflamatórios passados.

queda de cabelo cicatricial

Sequela de processo inflamatório: incapacidade de crescer cabelo no local da cicatrização

Causas da destruição do folículo piloso incluem infecção fúngica, produtos químicos, como relaxantes/alisantes de cabelo, tração mecânica continuada (uso de secador de cabelos ou pranchas), e distúrbios inflamatórios que incluem lúpus eritematoso discóide, líquen plano-pilar, alguns tipos de foliculite, alopecia mucinosa, alopecia cicatricial centrífuga central, e acne keloidalis.tratada precocemente no curso da doença, às vezes é possível regenerar o cabelo.

Alopecia não cicatricial

As alopecias não cicatriciais são causas mais comuns de queda de cabelo do que as alopecias cicatriciais e incluem a alopecia androgenética padrão masculino e feminino, a alopecia areata, o eflúvio telogénico, o eflúvio anágeno e a tricotilomania, bem como outras condições menos comuns.

Às vezes, doenças como sífilis secundária, doenças da tireóide (leia sobre Hipotireoidismo), e lúpus eritematoso sistêmico podem causar queda de cabelo por alopecia não cicatricial também. Para ler sobre lúpus eritematoso sistêmico clique aqui.

As causas não cicatriciais também podem ocorrer com o envelhecimento natural, esta forma de queda de cabelo é conhecida como alopecia senescente.

Alopecia androgenética: a calvície masculina

A alopecia androgenética, também conhecida como calvície masculina, é o tipo mais comum de queda de cabelo e é tão comum que muitos especialistas acreditam que ela deve ser considerada uma variante normal, como os olhos azuis ou cabelo castanho.

Esta forma de queda de cabelo é herdada de uma forma complexa de um ou ambos os pais.

Apesar de ser denominada “calvície masculina”, as mulheres também podem apresentar esta condição, pois os andrógenos, incluindo a testosterona, são hormônios presentes em homens e mulheres e desempenham um papel importante no desenvolvimento da queda de cabelo.

Mas, no caso da alopecia androgenética, não é o aumento dos níveis de testosterona que leva à queda de cabelo, embora este aumento também possa causar a queda de cabelo em outros casos, pois a maioria dos homens e mulheres com alopecia androgenética não têm níveis anormais de testosterona.

O que acontece é a presença de receptores à testosterona nas áreas afetadas causando uma ação mais exagerada da testosterona que causa a queda de cabelo.

As mulheres são mais propensas a desenvolver alopecia androgênica após a menopausa, quando elas têm menos hormônios femininos que têm ação protetora nos folículos, embora não seja tão incomum casos de início mais precoce.

A alopecia androgenética ocorre em mais da metade dos homens com mais de 50 anos de idade.

publicidade

Mulheres com idade acima de 40 anos podem ter a mesma prevalência. Um estudo descobriu que até 13% das mulheres na pré-menopausa apresentam alopecia androgenética. Outro estudo relatou que a alopecia androgenética afetou 75% das mulheres com mais de 65 anos.

Padrão masculino e padrão feminino

queda de cabelo 9

Padrão masculino

A alopecia androgenética de padrão masculino é caracterizada pela perda da linha de frente com perda de cabelos nas regiões temporais (entradas) e no vértice (parte superior da cabeça, o ‘cocoruto’), e pode ou não progredir ao longo do tempo.

O padrão feminino é mais variável, mas na maioria das vezes ocorre rarefação de cabelos no topo e na região da coroa, sem perda na área frontal.  Há afinamento difuso do fio de cabelo. Esta condição pode ou não progredir ao longo do tempo.

Padrão masculino e padrão feminino são termos utilizados por serem padrões mais frequentes em cada sexo, mas não são exclusivos.

Um homem pode ter perda de cabelos com padrão feminino e uma mulher pode ter perda de cabelos com padrão masculino.

queda de cabelo 7

Padrão feminino

É importante notar que a queda de cabelo na mulher também pode ser causado por um aumento anormal dos andrógenos, devido à presença de ovário policístico ou menos frequentemente devido a uma doença maligna que produza hormônios masculinos.

A fim de melhor estabelecer o diagnóstico, se uma mulher se apresenta com quadro de alopecia androgenética, deve-se observar se a alopecia é acompanhada de outros sinais, como irregularidade do ciclo menstrual, hirsutismo (aumento de pelos no corpo), acne na região da mandíbula e seborreia. Nestes casos, os níveis de testosterona e dihidroepiandrosterona (DHEA) devem ser medidos.

Também deve ser investigado se há uso de esteróides anabolizantes.

O tratamento para a alopecia androgenética inclui solução tópica de minoxidil, os comprimidos de finasterida por via oral ou cirurgia de transplante de cabelo.

No artigo Queda de Cabelo: Tipos de Alopecia – parte II, conversaremos sobre outros tipos de queda de cabelo não cicatricial: alopecia de tração, tricotilomania, alopecia areata, eflúvio telógeno e eflúvio anágeno. 

publicidade
(Visited 18.256 times, 1 visits today)