Manual de Drogas na Gravidez

publicidade

Os medicamentos listados no Manual de Drogas na Gravidez estão publicadas em ordem alfabética: A e BCD e EF,G e HI e LM e NO, P e QR, S, T, V e Z.

Este manual foi elaborado pela Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e lista 357 medicamentos, mostrando suas indicações, contra-indicações, posologia (dose e forma de tomar), efeitos adversos, uso na gravidez e na amamentação e a classificação de risco na gravidez da FDA (Food and Drug Administration) . Portanto, não é útil apenas para guiar a prescrição da gestante, mas de qualquer paciente. É um excelente Manual de Medicamentos.

Para ler o original no site da Febrasgo clique aqui.

manual de drogas na gravidez

Manual de Drogas na Gravidez: mostra a classificação dos riscos dos medicamentos

O Manual de Drogas na Gravidez se refere às drogas lícitas, cujos sinônimos são: medicamentos, remédios, medicações. Para ler a introdução deste manual de drogas na gravidez, leia o artigo Risco dos Medicamentos na Gravidez.

Devido à dificuldade de se estabelecer, ainda com precisão a ação e a repercussão das drogas, como quer a medicina baseada em evidências, a “Drug and Food Administration” (Federal Register, 1980; 44:37434-67) distribuiu os medicamentos nas seguintes categorias:

A. Estudos controlados em mulheres não demonstraram risco para o feto no primeiro ou demais trimestres. A possibilidade de dados é remota.

B. Não há evidência de risco no ser humano, isto é, estudos de reprodução animal não demonstraram risco fetal, mas não há estudos controlados no ser humano; ou estudos em reprodução animal demonstraram efeitos adversos que não foram confirmados em estudos controlados no ser humano nos vários trimestres.

C. O risco não pode ser afastado; aqui estão incluídos fármacos recentemente lançados no mercado e/ou ainda não estudados. Relatos em animais revelaram efeitos adversos no feto. Não há estudos controlados em mulheres ou em animais. As drogas podem ser ministradas somente se o benefício justificar o potencial teratogênico.

D. Há evidência positiva de risco fetal humano, porém, os benefícios do uso em gestantes podem ser aceitáveis.

XO fármaco está contra-indicado durante a gestação e em mulheres que pretendam engravidarEstudos em animais ou seres humanos revelaram efeitos deletérios sobre o concepto que ultrapassam os benefícios.  

Fontes Consultadas para a elaboração do Manual de Drogas na Gravidez

  1. Alberts B, Johnson A, Lewis J, Raff  M, Roberts K, Walter P. Molecular Biology of  the Cell, 4 ed., New York: Garland th Science; 2002.
  2. Benzecry R. Tratado de Obstetrícia FEBRASGO, Rio de Janeiro: Revinter; 2000.
  3. Berkowitz RL, Coustan DR, Mochzuki TK. Handbook for prescribing medication during pregnancy, 2 ed., Boston: nd Little Brow Co; 1986.
  4. Prado FC, Ramos OL, Valle JR. Atualização Terapêutica. (Borges DR, Rotschild HA, editores). 20ª ed., São Paulo: Artes Médicas; 2001.
  5. Briggs GG, Freeman RK, Yaffe SJ. Drugs in pregnancy and lactation, 6  ed., Lippincott, Philadephia: Lippincott, th Williams & Wilkins; 2002.
  6. Caetano N. Guia de remédios, 5ª ed., São Paulo: Scala; 2001.
  7. Committee on Drugs, American Academy of  Pediatrics. The transfer of  drugs and other chemicals into human milk. Pediatrics 1994; 93:137-50.
  8. Cotran RS, Kumar V, Collins T. Robbins – Pathologic basis of disease, 6  ed., Philadelphia: WB Saunders Co; 1999. Th
  9. Cunningham M, MacDonald P, Gant N, Leveno KJ, Gilstrapp III LC, Hankins GDV, Clark SL.  Williams Obstetrics, 20 th ed., Connecticut: Appleton & Lang; 1997.
  10. Delascio DD. Temas de Obstetrícia, Ginecologia e Pediatria Neonatal, São Paulo: Fundo Editorial Procienx; 1967.
  11. Folb PI, Graham-Dukes MN. Drug safety in pregnancy, Amsterdam: Elsevier; 1990.
  12. Fonseca AL (editor). Medicamentos na gravidez e lactação. Rio de Janeiro: Publicações Científicas; 1994.
  13. Gonzáles-Merlo J, Del Sol JR. Obstetricia. Barcelona: Masson SA; 1995.
  14. Hardman JG, Limbird LE. Goodman & Gilman’s: The pharmacological basis of  therapeutics, 10th ed., New York: MacGraw-Hill; 2001.
  15. Heinonen OP, Stone D, Shapiro S. Birth defects and drugs in pregnancy. Littleton MA. Publishing Sciences Group, 1977.
  16. Lepori RL. PR. vade-mécum, 7ª ed, São Paulo: Soriak; 2001-2002.
  17. Melo JMS. Dicionário de Especialidades Farmacêuticas, 30ª ed., Rio de Janeiro: Publicações Científicas; 2002-2003.
  18. Micromedex, Inc. Knowledge Bases for Healthcare. Safety & the Environment, 2002.
  19. Mycek NJ, Harvey RA, Campe PC, Fisher BD. Lippincott’s illustrated revews: Pharmacology, 2nd ed., Philadelphia: Lippincott-Raven; 1992.
  20. Neme B. Obstetrícia básica, 2nd ed., São Paulo: Sarvier; 2000.
  21. Nowles JA. Drugs excreted into breast milk. In: Pediatric Therapy. Shirkey HC (ed). St. Louis: CV Mosby; 1972.
  22. Rang HP, Dale MM, Ritter JM. Farmacologia, 4ª ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001.
  23. Rayburn WF, Zuspan FP. Drug Therapy in Obstetrics and Ginecolog y, 3rd ed., St. Louis: Mosby Yearbook; 1992.
  24. Vorherr H. Drugs excretion in breast milk. Postgrad Med 1974; 56:104-114.
  25. Wilson JT. Drugs in breast milk. Balgowlah, Australia: Adis Press; 1981.
  26. Yankowitz J, Niebyl JR. Drug therapy in pregnancy, 3th ed., Philadelphia: Lippincott, Williams & Wilkins; 2001.

 

Atualização

Site atualizado em 17/11/2013

publicidade

publicidade

(Visited 3.710 times, 1 visits today)